Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

... de disagreements.

Ela era só uma mancha azul e pontos verdes nos reflexos de qualquer lugar. Decidiu desafiar a si mesma, se privando de ouvir qualquer conversa paralela e por alguns instantes viver num mundo só dela. Um mundo somente seu, através do espelho. Quando essas palavras eram originalmente dela, soavam estranho. "Do outro lado do espelho existia um mundo". Talvez seja uma coisa que esteja no inconsciente de todo mundo, ou fôra somente outra coincidência entre ela e o filósofo. Assim como a verdade nua e crua. Ou talvez assim como Sofia ela estivesse vivendo num mundo na mente do filósofo. Tudo tão intensamente real... Talvez fosse a hora de colecionar algo diferente.

Curingas à parte, não é sobre isso que se tratam essas palavras. É sobre uma conversa que a perturbava e não a deixou concentrar-se no enigma dos espelhos.

"Você pensa como eu...", depois de uma troca de segredos. Ela esperava algo assim. Ela temia algo assim. Na verdade, já havia calculado todas as possibilidades.

Quando o lápis caiu e foi girando lentamente, como se zombando da cara dela, para a frente do ônibus. Ela não queria se levantar. Era mais fácil esperar ele voltar, do mesmo jeito que havia ido. Mas ela foi atrás assim mesmo. Afinal, com que se compararia o lápis, a queda, a ida, a volta?

"Discorde!", algo gritava dentro dela. "É...", foi a única coisa que expressou. Mas o que supor que ele quisesse ouvir? Ele queria que ela negasse? Havia ele colocado tanta expectativa naquela conversa quanto ela? "Nem sempre", arrependeu-se.

Antes era tudo bem separado: café, leite. Depois que o conheceu, não foi a mesma coisa. Já vos disse isso. "Sabe separar as coisas". É. Suponho que ninguém entenda. Mas é...

Não foi confortante, creio que para ambos os lados, ouvir aquilo. Mas houveram outras propostas. Surpreendentemente. Ela ainda calcula as possibilidades. Mas com sua calculadora quebrada, apela para as palavras. Afinal, matemática não é necessariamente tudo. E a expectativa agora é de que a matemática, as possibilidades, as palavras, tragam-na uma surpresa. Esqueça a expectativa.

Ninguém mais a observava. Hora de sair de seu mundiinho.

em tags:

por Dani Takase às 01:06
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it