Quinta-feira, 1 de Julho de 2010

... de casos de vida ou morte.

Quão frágil é a vida? Somos um delicado e complexo emaranhado de hemoglobinas, leucócitos e outros nomes engraçados envoltos em um maleável plástico de características. De tão iguais nos tornamos diferentes.

obs: Algo me disse: "Não confie em uma dócil rúbia que lhe pergunta as horas. Ela te observa desde que entrou". Cale-se subconsciente. Estranhos são tão confiáveis quanto você.

Histórias que comovem. Não é o sangue, o quanto de sangue, como o sangue, mas por que o sangue? O importante não é quantos ossos se quebraram ou quais quebraram-se, mas qual o motivo dos ossos quebrados?

obs2: Sentar-se tupiniquimente, cantarolar em outras línguas, escrever à 60km/h e apontar um lápis estridentemente me torna o emaranhado de hemoglobinas mais complexo deste ônibus. Não que seja de fatal importância, estou seca e sem graça demais ultimamente para me importar.

Medidas desesperadas de acabar com o sofrimento, talvez seja parando de pensar nele, mas não dessa forma tão trágica: parar de pensar - no sofrimento, nele, nela, em tudo.

obs3: "Queria entrar no Orquídeas e pegar um trânsito caótico, passar do ponto e ir parar sabe-se lá aonde", era o que eu tinha em mente antes de entrar ali, "somente em meio a essa multidão de plásticos maleáveis é que me sinto só e me sinto eu mesma."

Eis que o que nos difere é a forma de pensar. Infortunamente há pessoa que acabam com os emaranhados de hemoglobinas, os plásticos maleáveis e a maneira de pensar alheia - sem se esquecer os que desesperadamente drasticamente tiram isso de si mesmos.

obs4: A maioria das pessoas que passam por aquela porta são mulheres, estranhamente, no Orquídeas somos maioria - o #555 logo ali.

A vantagem de acabar com o isso alheio talvez seja o consolo de permanecer com seu isso. Já a vantagem de tirar o isso de alguém permanece uma incógnita absurda, mas não seria consolo para alguém algum.

obs5: Seria desleal usas essa palavra, mas o fato de um quase psicografar essas palavras, pura osmose. Sorte de quem lê apenas os caracteres padronizados, pois o escrito farmacêutico e rasurado tão somente eu compreendo, todas as minhas intenções.

Apesar de uma história tão obscura não é sobre a dor que isso se trata. É inverno, mas nem está tão frio assim.

obsperdendo as contas: Não estou mais em Orquídeas ou em nada que soe tão poético. Tão sozinha quanto antes, mas não tão complexa.

Não é questão de ter amor, dar valor, sentir a dor - rimar com or e colocar diferentes vogais temáticas. Desistir é uma palavra que define muito bem essa sensação, mas enfatidicamente falando é a maneira fraca-frágil que o maleável hemoglobínico emaranhado plástico pensante encontra para acabar.

obso último: Não sei se era importante que soubessem de minhas observações instantâneas. Talvez no pensamento elas ficassem melhor colocadas, mas elas quisaram saltar para o papel. Agora preciso de um final.

Na sombra a sensação térmica era tão fria quanto essas palavras. Debaixo do sol já não era a mesma coisa. E o sol já brilhava demais. E o meu sol não é o mesmo sol que todo mundo vê.

 

post scriptum: A carência do meu eu está muito enfatizada e esse é o marco dessa necessidade. Marco final. Sem "eu", "me", "mim" por um bom tempo. Dei a eles lugar o suficiente.

 

aos ouvidos: PATD, Raul Seixas, VDO, VE.
em tags: ,

por Dani Takase às 02:22
permalink | comentários | +fav
1 *:
De leonardo4277556 a 2 de Julho de 2010 às 01:49
Tava esperando um post sobre as férias, mas fiko ótimo. Aposto que ela sabe q eu me identifiquei =D

Porque é complexo entender que sentar-se tupiniquimente, cantarolar em outras línguas, escrever à 60km/h e apontar um lápis estridentemente em um ônibus lotado de estranhos é complexo. Na verdade, é extremamente simples, mas se ela classificou como complexidade, é porque foi. A linha entre complexidade e simplicidade é praticamente inexistente. A contradição aqui é que atitudes simples revelam complexidade.

Enfim, já falei que so seu fã?? =D


fuja!

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it