Domingo, 22 de Agosto de 2010

A Farsa dos Eletrodomésticos - o inquérito

– Os reféns e/ou réus estão prontos, chefe.

– Traga-os.

Amordaçados e amarrados em cadeiras de escritório estavam mãe e filhos.

– Que bom que essa cadeira tem rodinhas – ironiza um videogame que empurra a cadeira onde se senta o menino.

– Argh! – se limita a resmungar o garoto.

– Me respeite, moleque! Te forneci muitas horas de diversão. Acho que está na hora de escutar umas boas verdades! – diz o videogame já alterado.

– É mesmo! Seja lá como sou decodificado, mas faz cócegas! – diz um Cd de jogos.

– Você ao menos tem a sorte de não se ver girar! Se eu tivesse como vomitar, seria esse o momento.

– Girar? Além de cócegas fico todo enjoado e tonto, você só observa e fica fazendo pose e...

– Chega! – interrompe bruscamente o "chefe". Curiosamente o chefe não tem muito mais que cinco centímetros de altura, sabe-se lá como, mas impõe muito respeito. É um benjamim acinzentado com três ou quatro entradas. – Estamos unidos aqui com um propósito! Propósito aquele que vale o esforço qual estamos sendo submetidos. – Sua voz era de um grave e incentivador. Faz todo sentido ser o líder. Mas a empolgação é a de político em comício, aí vem um discurso que talvez tome muito tempo...

O menino ouvia tudo de olhos vidrados e arregalados, como ficavam enquanto jogava madrugada a dentro. A mãe afundava-se na cadeira com o olhar desesperado de quem não entende o que se passa. Já a adolescente tinha uma indiferença mórbida; talvez fosse só pose, que seja.

Após um zunido ensurdecedor o microfone do karaokê já estava plugado em gigantescas caixas de som, numa espécie de púlpito onde ocorreriam os depoimentos.

As tevês se propiciaram a ser o júri – isso porque se julgavam experientes no quesito julgamento, levando-se em conta o número elevado de séries e programas de âmbito policial.

O benjamim assistia tudo atentamente da tomada mais alta, de onde nada lhe fugisse do olhar vígil. Os réus estavam posicionados de modo que poderiam ver cada um dos acusadores – até o barbeador elétrico do marido se encontrava com olhar indagador.

Just for record the weather today is quite sarcastic with good chances of  A: Indifferences and B: Desinterest in what the critics say. It's time for us to take a chance, it's time for us!

– Bravo! Bravíssimo! – diziam ouriçados uma batedeira e um liquidificador louvavam às belas palavras do mycrosystem.

They said it was fabulous – transmitiu o Mp3.

Oh, thank you, my darlings. – ele pouquíssimo entendia o que a maioria dos ali presentes falavam, já que ele era estrangeiro. Dentre uma maioria bem nacionalista, alguns sem conseguir evitar o sotaque espanhol rio-platense, alguns possuem um inglês "whazup" ou robotizado. Há também aqueles aparelhos aptos a comer peixe cru – ou comer pastel na feira, genious.

 

*****

 

Um televisor recém-chegado ao invés de servir como júri, foi convidado a ser a primeira testemunha a depor.

– Eu vejo nas faces desfiguradas e vozes computadorizadamente modificadas palavras e emoções frívolas e rancorosas, dolorosas, sofridas, devido a tamanha perversidade e crueldade inspiradas em programas violentos, sangrentos e maléficos. Vejo seios descobertos como se fossem educativos... Vejo.. Ver não é o verbete mais apropriado: transmito. Recapitulando: transmito fatos manipulados como se fossem as mais puras verdades... Universos paralelos para que vocês emaranhados de veias vejam o sangue escorrer de meus elétrons. Violência?

– Vi o len...ço? – gagueja um radinho made in China, sem quase nada compreender.

– Violência, estúpido! – continua a tevê – Nas minhas transmissões tudo é violência! O futebol é violento, os desenhos violentos, o humor violento, os amores violentos! Logo, tudo que é motivado pela paixão será motivo de guerra! Afinal,  há uma coisa que aprendi nos canais que explicam a vida selvagem: é sempre o maior predador que é o rei da floresta.

aos ouvidos: London Beckoned Songs About Money Written by Machines - PATD
em tags:

por Dani Takase às 03:56
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it