Segunda-feira, 25 de Julho de 2011

... dos insones e sonâmbulos

− Uma pena.

− Que é?

− Arrependimento não mata.

− O que esperava?

− Não fazer de tudo metáfora, ironia, plágio, gracejo ou metalinguagem.

− Nem literatura.

− Nem veracidade.

− Nem arrependimento.

− Nem anáfora. Apenas cale-se.

− Cale-se e vá dormir.

 

Vozes conversando. São muitas. Mais confissões de meia noite. Umas vagamente longe das outras e mais próximas do que imaginam. Sem mais figuras de linguagem. Vou dormir. Com a mesma definição de dormir de muitos.

 

It seems like once again I've had to greet you with goodbye.

aos ouvidos: 505

por Dani Takase às 04:05
permalink | comentários | +fav
Sábado, 23 de Julho de 2011

... de amores e infortúnios.

Tarde, nem tão tarde assim.

Missões de meia noite: desacreditar no amor. E convencer a tudo e a todos que amar não é remédio pra nada. Nem cura. Nem doença. Agarrar a tudo com curtos braços. Eram muitas farpas para alguém não se machucar.

São vários aprendizados numa noite. Um único consenso: "amor é uma droga, não?".

Difamar o amor por aí não é algo de que possa me orgulhar, mas faço com prazer e receio. Mas ele fez isso sozinho. Primeiro erro é do coração. Alguém de pequenos olhos puxados a quem eu chamo de 'eu mesma' acaba de fazer uma ressalva. Primeiro erro é estar no cérebro, e não no coração. Racionalizou-se. Sim, o amor tem sua lógica.

Segundo erro: estar no cérebro e ser totalmente ilógico e irracional.

Qual o problema de alguns arranhões? Aquela história de que rosas tem espinhos. Rosas nem são tão bonitas assim.

Tarde, já tão tarde assim, quase cedo.

Missão de amanhecer: convencer-me de que o amor acordou com o sol.

TEXTO MUITO VULNERÁVEL A ALTERAÇÕES EM BREVE. 


por Dani Takase às 07:03
permalink | comentários | acredite (1) | +fav
Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

... del tiempo que se escurre entre los dedos

— Tenho medo de altura.

Interrompeu o silêncio que já durava um tempo. Fez-se silêncio novamente. Entreolharam-se. Ela normalmente desfazia-se de encarar os outros nos olhos. Havia algo em seus olhos. Doces melados esverdeados olhos de girassol. Não tinha porquê não olhar em seus olhos. Aliás, tinha vários porquês. E nenhum porquê que fizesse sentido. Era tudo confuso.

— Na verdade, não tenho medo de altura.

Just pretend it, babe.

Dadas as mãos. Fez-se silêncio e por que temer o silêncio ou tempo?

Maldita doçura essa sua.

Um diálogo não se faz em silêncio. Linguagem não-verbal. Olhos que falam por si só. Ventos que conspiram. Luz se apaga.

— Tenho... não tenho medo de escuro.

Dá-se mãos.

Maldita doçura essa nossa.

 


por Dani Takase às 05:00
permalink | comentários | +fav
Domingo, 17 de Julho de 2011

µ

Tenho três minutos para eternizar o tempo.

Em breve 3h14min15seg e segue e eterniza e é infindo.

Mas o tempo não pára. E não respeita a matemática.

E um momento se eternizará. E é o tempo µ. 


por Dani Takase às 03:14
permalink | comentários | +fav
Sábado, 9 de Julho de 2011

... de boulevards

Desculpem-me,

por ser essa cabeçuda, essa lunática.

essa ladina, ordinária.

oblíqua e dissimulada.

 

observação: a Lua estava bela.


por Dani Takase às 01:41
permalink | comentários | +fav

... de prédios espelhados.

Observou. Contemplou toda a grandiosidade da cidade. Chegou a uma conclusão.
— Este lugar fede.

Era um desapontamento bom.


por Dani Takase às 01:31
permalink | comentários | +fav
Segunda-feira, 4 de Julho de 2011

... de negro-café, estrelas-açúcar.

uma xícara de mundo,

com mais açúcar que café;

não lhe cabiam amarguras,

um céu negro-café

polvilhado de estrelas-açúcar.

doces e doçuras,

e lábios voluptuosos aproximam-se da grande xícara de mundo

e acabam por embebedar-se.


por Dani Takase às 05:16
permalink | comentários | +fav
Domingo, 3 de Julho de 2011

... de açúcar mascavo

Ensimesmou-se.

Tinha ares de quem não se importava. Inabalável. Ostentava no rosto um riso, um gracejo. Não de quem se julga superior, mas ainda assim, de indiferença e desprezo.

Oblíqua e dissimulada, dizem.

Em tempos que todos a julgam com maus olhos, não parecia ofender-se, ainda que naturalmente hostil. Algo entre pedra e gelatina. Um pedaço de rapadura.

Doce, seu sabor estalava nos lábios de bons — e raros — apreciadores. Firme, demonstrava algo de insensível. Um devaneio contrastar o rústico e o sublime, uma coisa só.

O calor era tanto que fez-se derreter. De onde vinha o calor — intrínseco à sua vulnerabilidade, não se sabe. Derreteu. Mas o calor não era duradouro, nem eficiente.

Afastou-se. Fez-se frio.

Empedrou. Disforme, ainda que doce. Bela, ainda que disforme. E doce.

E, por fim, fim não seria amargo. Nem propriamente frio, nem acalorado. Nem doce. Indiferente.

Como um pedaço de rapadura.


por Dani Takase às 23:41
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it