Domingo, 10 de Outubro de 2010

A Farsa dos Eletrodomésticos - Desistência (ou Rendição)

 A mulher desesperadamente ajoelha-se diante do púlpito e seus turvos olhos enfadonhos imploram:

– Deixe-nos ir! Isso é um ultraje! Eu que nunca nada fiz contra qualquer ser por mais desprezível que o seja!

– Isso acontece, minha senhora, porque dentre todos os animais o mais desprezível é você. – diz o microondas com um remorso entoado em sua voz trêmula.

– Eu fui mãe aos dezenove anos quando mal sabia o que era amor, me casei a força, fui infeliz por dezesseis anos, lavando, passando, cozinhando, fui trocada por uma secretariazinha medíocre de dezenove anos que me remete a mim mesma e como teria sido se tivesse um pouco mais de audácia na vida. Por mais clichê e copiada que minha história apareça virando enredo de novelas podres e filmes insossos, não dependo de assisti-los para que eu me sinta melhor ou pior ou menos medíocre como já disseram. "Olhai que de esperanças me mantenho!", o que hão de me tirar? Amor? Paz? Nada disso tenho! Nem esperança nem sobriedade. Preciso de conforto, talvez carinho, mas sou o que? Medíocre demais pra recorrer a qualquer estranho que me leve pra ver um filme chato e me console depois com seu calor. Medíocre, medíocre! Me encontro com trinta e cinco anos, tenho dois filhos, estou apenas cansada demais para tentar arriscar alguma coisa que dará errado. Me consolam os filmes, novelas e telejornais pois me lembram de que estou viva. Não sou a atriz que decora as falas, não sou a vítima do estupro do telejornal, muito menos a morta por qual choram os órfãos. Sou real, muito mais real que qualquer um deles. Sou viva e estou relativamente bem. Bem em minha depressão, bem em meu conforto natural e na barreira que construí com o mundo. O supermercado em que vou para suprir minhas necessidades é o contato mais humano que tenho com a vida. A caixa sorridente que me fornece o custo da compra é tão viva! O carrinho de compras transbordando aquelas ofertas imperdíveis que vi na TV. O supermercado com um neon apagado, uma letra R qualquer, fora consertado, agora fosforesce à noitinha. Volto pra casa, ligo a TV e novamente vejo minhas novelas e mentiras. Satisfaço-me assim. É a zona de conforto ideal. Não estou propensa a nenhum perigo. Não me sujeito a qualquer sorte. Sorte é para os fracos. Eu sou uma fraca tentando me manter da força. Perdoe-me por um parágrafo tão intenso, por tantas palavras juntas, por mal ter respirado enquanto vos falo! Sinto que meu tempo se esgota e estou apenas sozinha demais e cansada demais para tentar me reconciliar com a vida que tanto tentei apreciar. E deprecio com todas as minhas forças.

– Tirem essa louca daqui! Agora!

– Deixem-na em paz! – diz lacrimosa a geladeira, que se derrete e degela, mas parte em defesa de sua adorada ama. E não é só ela. Também o fogão chorava.

Não havia naquela sala ser que não houvesse ao menos se emocionado. Talvez um. Insensível. A filha parecia um monumento de pedra. Até os objetos tão inanimadamente supostos a não demonstrar qualquer expressão estavam visivelmente comovidos.

A geladeira parte incontrolável para cima da adolescente que estarrecida se afunda na cadeira de escritório. A geladeira ponderosa em frente a menina, sua cauda parte cortando o vento na direção da menina, e lhe atinge a coxa. O barulho é de súbito doloroso. Pode ser sentido apenas pelo estralo. O chicotear lhe abalou os ânimos, foi como um choque de consciência. A marca não fora tão superficial que ficara apenas na pele, foi além, no ego. A menina começa a chorar, lágrimas desesperadas, ainda com os olhos esbugalhados. Mas não gritava. Sequer gemia. Talvez seu olhar pedisse perdão. Redimia-se? Ou era ilusão. Era dor, apenas.

Arrastaram a mãe para o fundo da sala, não mais perto de suas crias. A primeira ré já havia sido inocentada. Ou abdicada de punição. Sofrera muito, não? Ou castigaram-na assim. Imunizando-a mantiveram-na longe de seu maior desejo: de que a fizessem sofrer.

 

em tags:

por Dani Takase às 11:39
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it