Domingo, 6 de Março de 2011

... 735!

Desacreditar no destino é estar fadado a sofrer as consequências do tempo e de todos os possíveis acontecimento. Pois numa combinação imensurável de possibilidades, começar uma manhã de quarta-feira comendo pão fresco é submeter-se a apenas uma dessas. Negar um pão. Doar um pão.

E pensar que ele ficou triste porque me neguei a aceitar o pão que ele oferecia.

E quando quinze minutos passam de meio dia e sem se dar conta, desacredita. Ser esquecida numa manhã de quarta-feira.

Por nervosismo, saí pra olhar na rua, sirenes perdem-se ao longe. O farol muda, re-muda e des-muda de cor. Avistar um perigo em potencial. Afastar-se do portão por precaução. Voltar às grades que me tornariam invisível. Cruzava a avenida, sob sol de meio dia, uma blusa de lã vinho e malcheirosa, calças desbotadas e rasgadas, trapos ornáveis que o tornava ainda mais peculiar. Por um carisma intrínseco, não consegui ostentar repúdio algum.

Aproximara-se, fingia que não dava conta de que eu me escondia por detrás das grades. Sua voz ultrapassava essa barreira, mas seu olhar era oblíquo e suas palavras direcionadas à minha mãe, que o desprezava, não por maldade, mas por não saber como reagir.

- A senhora poderia me dar alguma coisa?

Seus olhos miúdos refletiam a luz do sol. Transitavam carros e pessoas. Todas ocupadas demais para encarar aqueles olhos que luziam. Não abordara ninguém. Nenhuma outra casa, nenhuma outra pessoa. Ninguém tinha coragem de olhar em seus olhos, mas tinham bravura de andar pela rua, evitando a calçada em que ele estava.

- ...um pão?

Só olhei para minha senhora e ela já sabia do que se tratava. Tinha um pão fresco e intacto dentro de um saco de papel. Um pão solitário qual eu neguei mais cedo. Ela subiu para o buscar. E eu contemplava  curiosa aquela figura engraçada que ali estava. Receosa, talvez, mas eu não tinha medo. Não tinha coragem de ter medo. Mas era meio dia e vinte. E para onde eu iria?

Eu indagava como ele não fora capaz de se dar conta de minha presença. Ele, inquieto, esperava por uma resposta positiva. Um pedaço de pão.

Ela volta com uma garrafa de leite e café, qual ele se nega a ficar. Transpõe o líquido num outro recipiente e devolve a garrafa. Agradece. Minha mãe nem uma palavra sequer dirige ao rapaz. Ele segura com ambas as mãos o saco de pão. Agradece e vai-se embora. Acabou. Foi-se embora.

Espere um momento. Volta. Agradece. Vai-se embora.

Meio dia e vinte e cinco. Para onde vou?

Volta. Eu estagnada, ele ainda não me viu? A insignificante aqui sou eu, sempre soube disso.

- Adam - palavras ininteligíveis - Massachusetts e Mississipi - mais algumas palavras ininteligíveis - escreveu em...

O que ele dizia? O que ele queria dizer? O que eu queria entender? Ainda voltado para minha mãe, jogava em vão as palavras contra ela, que nem sequer o olhava. Por que nem ela o encarava?

-... Eu gostaria de ter lido esse livro. Mas não me deixaram. Minha mãe também gostaria, mas ela morreu.

E como ele sabia do livro e ah, por que eu não entendi o que ele disse?! E se ele me olhasse. Eu ao menos estou te ouvindo.

- Eles vêm aqui e levam nossas mulheres. Mulheres, mulheres! Que são elas? Prejuízo trouxeram!

Mulheres? Olhe para mim? Por que fala mal das mulheres? É meu batom vermelho que te impede de me ver?

- Se Deus deu, se é que ele deu, o direito à nós brasileiros eles o tiraram de nós. Se Ele nos deu tudo...

Diga mais, por que sua voz vem e se esvai? Por que não formulam-se completamente? Elas estão se perdendo.

- Eu agradeço novamente. Obrigado.

Agradece. Vai-se embora. Meio dia e trinta. Vou me atrasar, será possível? Volte aqui e me explique.

E me explique porquê choro compulsivamente. Soluço e em tentativas falhas de conter o nervosismo minha voz falha:

- Por que nem sequer olhou pra ele? Ele falava com você!

- E você? Por que chora?

- Você não entende? Ele...

E não chego atrasada. Meio dia e trinta e cinco. Parto e me perco, não no caminho, mas em pensamento. Alvarenga e já é uma da tarde. Vou me atrasar. Saio sem fôlego. Tentando conter os soluços. Tentando respirar e uma longa subida até chegar à Liberdade.

E qual a ironia de discutir a utopística liberdade ou sua concreticidade. Fato é, tenho fome, não de pão, de liberdade.

Minha fome não é só minha. É por todos e me consome.

Não tenho como falar de liberdade se acredito em conspirações do destino. É por isso que acredito em liberdade e vejo no destino a utopia. Porque se tudo estiver traçado é melhor que seja sonho distante, porque viver de escolhas é melhor que se viver esperando.

E quarta-feira ao meio-dia é ato falho. Desacredito.

em tags:

por Dani Takase às 05:04
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it