Segunda-feira, 15 de Agosto de 2011

... do esquife de mogno, da foice e da madressilva.

Não era um esquife de luxo. Madeira boa, acaju. O tom avermelhado chamava toda e qualquer atenção em meio a tanto negro e tanto luto. O clima obscuro era construído das mais diversas percepções sensoriais: o cheiro da parafina que sai das velas lacrimejantes; os soluços, lágrimas e lenços úmidos; café imerso numa atmosfera de diversos odores; inclusive o morto que já fede.

É dia. E ainda assim velas. Janelas abertas. Luz solar. Brisas frescas. A manhã respira. O morto não. E por que velas?

O café também é luto. Mal é adoçado. Açúcar branco não respeita o luto. O café veste preto e desce amargo. Amargura para enfrentar a dor da partida.

- Quem é, mamãe? - uma menina de vestido preto, olhinhos azuis e cachinhos ruivos (segredo-vos: não inteiramente de luto), puxa a saia da mãe que simula choro.

- Tia avó do irmão do marido de sua prima, meu bem. - disse a afagar-lhe os cabelos ferrugem com uma mão, levando o lencinho aos olhos úmidos com a outra.

Crianças, quando realmente crianças, encaram a morte com inocência. A observar o defunto. A desejar-lhe que pisque os olhos, ou que respire. E a esperança da descoberta do século, gritar: está vivo! É só prestar atenção. Concentração. E... Decepção. Mortinho. Mortinho da Silva e todo eufemismo, por mais grotesco que seja.

O morto permanecia imperturbável. A sensação de repouso profundo, de sono pesado, descanso eterno. Ainda que a pele acinzentada, fria. A seriedade posta e imposta. Olheiras que sugam os vestígios de vitalidade.

Ah!, aos vivos só faltam as moscas. A verdade imortal: começar a morrer a partir do momento em que se nasce.

- Pois, diga: a morte vem de capa preta e foice à mão? - o maquiador de defuntos(?!) monologava. Monologava, mesmo se dirigindo ao morto, pois esse, ainda imperturbável, não respondia. Mas a resposta vem de algum lugar - do além.

- E, que diabos! Qual inferno, purgatório, céu, reino de Hades! Qual! Cada um vai para o inferno que deseja. Minha alma espirra em alergia a esse pó. Não me dava ao luxo dessas frescuras nem vivo. Agora morto? Batom?! Mas qual!

- Agora está mais coradinho! Faço milagres! - orgulhava-se e contemplava a obra-prima.

- Milagres num morto? Vá passar purpurina em outro! - o eco do além se propagava no salão - Por que não me cremaste, mulher? Oh, céus. Aprisiona-me a algo. Mande-me ao inferno, mas me livre de vagar. E se existe alma?

Cai a noite. O maquiador esquece de seu feito. Os entes queridos velam por seu amado. A luz pálida das velas é intrínseco ao espetáculo. No fundo a alma, daquele que nem acreditava que a tinha, temia por ser aprisionado. O cheiro de mogno era agradável. A sete palmos debaixo da terra, seria devorado. Reviveria no metabolismo de qualquer verme que putrifizera seus restos.

Reviveu na madressilva que, não importa o tempo, ele não morre, envolveu sua lápide. Inscrição na lápide - belo(?) epitáfio: alguém que soube viver a vida.

Um efeito da madressilva, que agiu como erva daninha, foi cobrir parcialmente a sentença. Alguém que soube.

em tags:

por Dani Takase às 01:42
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it