Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011

O poeta disse que em São Paulo não existe amor

São Paulo era todo o cimento. Todo o concreto. As almas, o abstrato. O bandido que corria da polícia, os garotos jogando bola na rua, as meninas sentadas na calçada, os viadutos e seus defuntos, cachorros e seus donos, donos aprisionados às coleiras, sinos de igrejas, telhados de diversas engenharias e arquiteturas, outdoors de diversas publicidades, vizinhas de diversas idades, vestidos de diversas tonalidades, vidas de diversos públicos, buzinas ecoando, faixa de pedestres, transeuntes e pedintes, alguém cumprindo promessas, outros rezando de joelhos, incêndios, o álcool que não pega fogo, o fumo, o ébrio, o sóbrio, rádio ligado e diversidade musical, guarda-chuvas abertos e fechados, fraldas sujas e lixo urbano, o radioativo mais acolá, as doenças incuráveis da modernidade, a falta de espaço, a densidade demográfica, o esgoto desembocava em algum lugar, as chaminés incansáveis – e era domingo.

Domingo e São Paulo não pára. Não passa. Atravessa, enguiça, trapaça. Poluição de todos os sentidos. Visão, audição, tato, olfato, paladar. Poluição em todas as direções. Cima, baixo, do outro lado da rua, debaixo da escada, no porão, no sótão, no terreno baldio. Poluição na alma, na couraça, no coração, no senso, no dissenso, no consenso. No censo. No sense.

Era a São Paulo de caras, de coroas. De carros, bicicletas, astronaves, nautas, astronautas, internautas. De casas, edifícios, arranha-céus, galpões, garagens, fábricas, indústrias, paredes, lixões, mansões, favelas, becos, vielas, viadutos e pontes. De hotéis, motéis. De paixões, calores, traições e desamores. De boutique, de vaidade. De política, de maldade.

São Paulo de todos os sotaques. São Paulo cada vez mais mundo, cada vez menos mudo. Toda vez, São Paulo.

Independente de angulação. Vista de cima, era São Paulo. Doía, vê-la debaixo, doía. Vê-la de dentro, sucumbia.

E tem coisa que nem sequer se via.

Era a São Paulo que chovia.

Bocejo. São Paulo de desejo.

Imaginava-me pulando de qualquer altura. Não suicida, não louca, não sonhadora. Não pássaro, não aventura. Não mulher-gato, esbelta e esguia. Só sombra fugidia, que muda conforme a luz. Via por qualquer fresta, enfresta por qualquer via.

E a maldita São Paulo ainda era seu beijo.

(E a bendita São Paulo lembrando seu beijo).


por Dani Takase às 00:04
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it