Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2011

... ébria de pó de lua...

Há lá por fora

um luar

que é um divino pecado...

se viesses, meu amado,

se surgisses agora

ao meu olhar,

se me apertasses, trêmula de susto,

ao teu formoso busto...

 

Paira lá fora o luar

a tentar a paisagem,

as almas a tentar;

se viesses, meu selvagem,

com teu querer imperativo e rudo,

com teus modos brutais,

a esta lua macia,

eu tudo

te daria

e mais

e muito mais!...

 

Que seria de mim,

deste meu pobre amor, ai que seria,

se houvesse, noite a noite, um luar assim?

Repara o encantamento

da dor a que te exponho e a que me imponho,

neste mútuo querer de intérmino adiamento.

Gozemos ambos o prazer tristonho,

a ventura dolorida

de prolongar o sonho, que há no sonho

A realidade mais feliz da vida.

 

A lua desce numa poeira fina,

que os seres todos alucina,

que não sei bem se é cocaína

ou luar...

 

Fosse eu agora para a rua,

assim, tonta de lua...

 

Não é noite, nem dia.

Observo, com surpresa,

em toda a natureza

uma triste alegria.

Repara bem que paradoxo no ar,

que dolorosa orgia

em que a alma peca com vontade de chorar!

 

O meu amor por ti é uma noite de lua,

em que há quanto prazer, em que há tortura quanta,

Em que a alegria chora e a tristeza canta,

Em que, sem te possuir, sou toda tua...

 

O meu amor por ti é uma noite de lua,

misto de ódio e paixão com que repilo e quero

todo o teu ser de modo mais sincero,

fugindo-te e sonhando, a cada instante,

Palpitante

de gozo

meu corpo amado e amante.

 

Fosse eu agora para a rua...

Vagabundeia o luar tentando as cousas todas

para prolongamentos, para bodas...

 

Se chegasses, num lírico transporte,

Se chegasses, meu servo e meu senhor,

A vida que valerá e que valerá a morte,

Diante do nosso amor?

 

Ao teu abraço cálido e nervoso,

O etéreo tóxico entorpecente,

pela janela,

chega-me à boca, meus lábios gela...

Que frio ardente!

Embrulho-me num manto, olho o espelho: estou nua.

A alma fora de mim, zombando dos refolhos

em que me abrigo.

A alma a fugir-me pelos olhos,

ébria de pó de lua.

 

Sangrando luz, pendida a trança flava,

uma estrela do além se despenhava...

— Sorriste olhando-a, entristeci-me em vê-la...

 

Com a alma em fogo, pela noite fria,

em vertigens de amor eu me sentia

rolar no abismo como aquela estrela...

 

Gilka Machado, em "Meu Glorioso Pecado",  1928.

 


em tags: , , ,

por Dani Takase às 21:44
permalink | comentários | +fav

últimas fugas

OEDIPOUS

m.

coletânea de palavras sem...

Sé dulce, Septiembre

No porta-malas

Fortaleza

Solilóquios II - O Margin...

Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


a farsante


descubra.

. 2 seguidores

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

_

toda a farsa:

Maio 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar no em fuga -

 

~

(

RSS

_

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

?

we♥it